Há quem diga que em Jerusalém não há movimentos sísmicos, falhas geológicas que possibilitem episódios de terremotos. Mas a Bíblia, especialmente no Evangelho de Mateus, capítulos 27:54 e 28:2, narra de forma sequencial a ocorrência de terremotos nos eventos da crucificação de Cristo e em Sua ressurreição. Ademais, também narra que, na crucificação de Jesus, próximo da hora “sexta” até a hora “nona”, houve “trevas”: “E, chegada a hora sexta, houve trevas sobre toda a terra até a hora nona” (Marcos 15:33). Evidências históricas confirmam o relato bíblico de um terremoto durante a morte de Cristo. O autor grego Flégon descreveu uma cronologia relacionada a um evento de terremoto que teria ocorrido durante a crucificação de Cristo, no tempo de Tibério César. Paul Maier, a respeito desse período de escuridão, em uma nota de rodapé do seu livro sobre Pôncio Pilatos (1968), diz: “Esse fenômeno, evidentemente, foi visível em Roma, Atenas e outras cidades do mediterrâneo. Segundo Tertuliano, […] foi um evento ‘cósmico’ ou ‘mundial’. Flégon, um autor grego da Caria, escreveu uma cronologia pouco depois de 137 d.C. em que narra como no quarto ano das Olimpíadas de 202 (ou seja, 33 d.C.) houve um grande ‘eclipse solar’, e que ‘anoiteceu na sexta hora do dia [isto é, ao meio-dia], de tal forma que até as estrelas apareceram no céu. Houve um grande terremoto na Bitínia, e muitas coisas saíram fora de lugar em Nicéia’” (MAIER, Paul, Pontius Pilate, p. 366) (Strobel, 2001, p.86).

Se não bastasse, pesquisas científicas também têm corroborado os relatos históricos de Flégon, citado acima, bem como do historiador samaritano Talo, que escreveu em 52 d.C. acerca dessa mesma escuridão durante a morte de Cristo (McDowell, 1992). Ademais, os terremotos da Terra Santa têm sido evidenciados por escavações arqueológicas. Nenhuma outra região da Terra tem uma cronologia tão longa e bem documentada de grandes terremotos como a dessa região. Inclusive geólogos investigaram a cronologia de 4.000 anos das perturbações do terremoto nas camadas superiores de sedimentos laminados do Mar Morto (Ben-Menahem, 1991; Ken-Tor et al., 2001; Migowski et al., 2004; Agnon, Migowski e Marco, 2006).

Em 1994, a revista Israel Exploration Journal, editada pelo Instituto de Arqueologia da Universidade Hebraica publicou um artigo intitulado “Terremotos em Israel e áreas adjacentes: observações macrossísmicas desde 100 a.C.” Na página 265, eles listam um ligeiro terremoto em Jerusalém em 30 d.C. e um em 33 d.C., o que afetou a Judeia, Jerusalém, incluindo danos ao templo (Amiran, Arieh e Turcotte, 1994).

 

Em 2012, um artigo publicado na revista International Geology Reviewapresentou evidências de um terremoto na Palestina por volta do ano 31 d.C., com precisão de ±5 anos (Williams, Schwab e Brauer, 2012). Levando em conta que o fim do ministério de Jesus é datado entre os anos 30 e 33 d.C., e que o relato dos Anais do governador Tácito (XV, 44) corrobora que a crucificação ocorreu quando Pôncio Pilatos era procurador da Judéia, ou seja, entre 26 e 36 d.C., temos aí mais evidências para a confiabilidade histórica das Escrituras.

Mapa do mar morto e arredores mostrando a localização central em Ein Gedi e a localização do afloramento em Nahal Ze’elim

Além disso, existe uma ampla lista bem documentada (aqui e aqui) de vários outros terremotos que teriam ocorrido próximos daquela mesma região em diferentes momentos da história humana. Mas o que nos chama a atenção é realmente o fato de as descobertas atuais da ciência apontarem para uma incrível “coincidência” que demonstraria a autenticidade do relato bíblico em relação aos eventos associados à crucificação de Cristo.

(Everton Fernando Alves é mestre em ciências e autor dos livros Revisitando as Origens e Teoria do Design Inteligente)

Referências:

Strobel L. Em defesa de Cristo, Vida, 2001.

McDowell J. Evidência que exige um veredito. Candeia: 1992, p. 81.

Ben-Menahem A. “Four Thousand Years of Seismicity along the Dead Sea Rift.” Journal of Geophysical Research. 1991; 96(B12):20195-20216.

Ken-Tor R, et al. “High-resolution Geological Record of Historic Earthquakes in the Dead Sea Basin.” Journal of Geophysical Research. 2001;106 (B2): 2221-2234;

Migowski C, et al. 2004. “Recurrence Pattern of Holocene Earthquakes Along the Dead Sea Transform Revealed by Varve-counting and Radiocarbon Dating of Lacustrine Sediments”. Earth and Planetary Sciences Letters. 222(1):301-314.

Agnon A, Migowski C, Marco S. “Intraclast Breccias in Laminated Sequences Reviewed: Recorders of Paleo-earthquakes.” In: New Frontiers in Dead Sea Paleoenvironmental Research. Enzel Y, Agnon A, Stein M (Eds.). Geological Society of America Special Paper 2006, v. 401, 195-214.

Amiran DHK, Arieh E, Turcotte. “Earthquakes in Israel and Adjacent Areas: Macrosismic Observations since 100 BCE.” Israel Exploration Journal 1994; 44:260-305.

Williams JB, Schwab MJ, Brauer A. “An early first-century earthquake in the Dead Sea.” International Geology Review 2012; 54(10):1219-1228.

Fonte: http://www.criacionismo.com.br/2018/05/a-morte-de-cristo-e-incrivel.html